A composição corporal e o tipo de treino na ocorrência de lesões musculares nos jovens Futebolistas

In Artigos de Opinião, Atletas, Avaliação Física, Destaque, Fisiologia do Exercício, Futebol, Futebol Formação, Futsal, Futsal Formação, Prevenção de Lesões, Saúde - Artigos de Opinião, Saúde e Bem-Estar by RedaçãoDeixe um comentário

A composição corporal dos futebolistas é diferente comparativamente aos não futebolistas e dentro dos futebolistas a composição corporal também varia de acordo com a posição em campo. Neste sentido e por se reconhecer que o alto IMC e a reduzida %MG representam um perfil padrão de risco de lesão em jovens futebolistas, surge a pertinência da análise séria desta questão.

O futebol de formação, quer queiramos quer não, exige, cada vez mais, resultados desportivos e quanto mais abrangente for a monitorização dos fatores inerentes, mais perto se tornará o percurso até esses mesmos resultados. Muito se tem falado acerca da dissociação da prática do exercício físico no futebol com a saúde dos praticantes, certo é que as lesões são recorrentes e a preocupação da avaliação da composição corporal sistemática e rotineira ao longo da época é vista como um suporte ao desempenho e à promoção de saúde dos praticantes.

As lesões no futebol representam um entrave nos resultados dos jogos, sendo diretamente proporcional ao aumento dos golos. Destacando-se entre as lesões mais frequentes, as lesões musculares, nomeadamente as contusões.

Associando as lesões musculares no futebol com o treino, sugere-se que, uma melhor compreensão de como as cargas de treino se relacionam com as lesões podem auxiliar no tratamento dos lesionados.

A Composição Corporal, representa, por sua vez, uma associação direta ao rendimento do jovem futebolista, havendo cada vez mais preocupação no perfil padrão ideal de composição corporal dos praticantes, associando-se aos clubes diversos agentes “externos” com vista, por exemplo, ao controlo alimentar adaptado ao exercício de alto rendimento.

Relacionando a composição corporal, as lesões e o treino, será pertinente perceber que as diferenças na simetria muscular são precursoras de lesões e na recuperação das lesões, a avaliação permanente da composição corporal indicia a fase de recuperação e pode estimar o tempo da própria recuperação. Com o treino ao longo da época desportiva verifica-se que, é no último terço da época que, os futebolistas aumentam e diminuem a %MM e a %MG, respetivamente, de uma forma significativa, podendo estar relacionado com o maior número de lesões ocorridas nesta fase da época desportiva, ou seja, as lesões musculares podem estar relacionadas com a composição corporal dos futebolistas e/ou com o tipo de treino relacionado, sendo que, a composição corporal, por si só, pode estar relacionada com o tipo de treino realizado e o tipo de treino realizado pode estar relacionado com as lesões ocorridas e/ou com a composição corporal dos futebolistas.

Na análise de jogo, a importância do registo dos golos, da % de posse de bola, dos remates enquadrados, das substituições, etc., é, naturalmente, importante para a evolução performativa da equipa e dos praticantes, contudo, o registo das lesões, o tipo, o momento de jogo (minuto) e a forma como ocorreu, aliado à posição em campo, à idade, ao estilo de vida e à composição corporal, permitiria uma analise mais direcionada ao bem-estar do praticante e eventual minimização de lesões musculares não traumáticas.

O transfere de todas esta preocupações para o futebol de formação é emergente. Não se pode querer crescer rapidamente nos aspetos técnicos, táticos e físicos sem os monitorizar constantemente e, sobretudo, sem perceber o impacto que a “exigência” que se impõe para os treinar terá na constante ocorrência de lesões musculares, implicando a médio/longo prazo na vida adulta do atual jovem futebolista.

André Santiago

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.