“Dor de burro”: O que é e o que fazer?

In Artigos de Opinião, Atletas - Artigos de Opinião, Destaque, Fisiologia do Exercício, Medicina - Artigos de Opinião, Modalidades, Orientação e Controlo de treino, Saúde - Artigos de Opinião, Treinadores - Artigos de Opinião by RedaçãoDeixe um comentário

A maioria dos jovens atletas já sentiu, uma vez ou outra, uma pontada afiada, localizada logo abaixo da caixa torácica que geralmente ocorre no lado direito do abdómen.

Chamamos-lhe, vulgarmente, “dor de burro”, talvez por não conseguirmos determinar o tipo de dor (tal como quando dizemos “cor de burro quando foge”) ou por “doer p’ra burro”, mas os investigadores referem-se a essa dor abdominal incómoda pelo termo muito mais técnico e científico, “dor abdominal transitória relacionada com o exercício”.

 

CAUSAS

Embora ainda não exista uma explicação definitiva para a causa da “dor de burro”, existem várias teorias muito convincentes. A maioria dos investigadores acredita que tem muito a ver com o que comemos antes de fazermos exercício.

Vários estudos concordam que a “dor de burro” é mais comum na corrida e na natação. A dor é descrita como bem localizada no abdómen inferior direito ou esquerdo. Esta dor, que interfere frequentemente no rendimento, não parece estar relacionada com o género ou índice de massa corporal do atleta.

O fator mais importante no desenvolvimento da “dor de burro” parece ser o momento da refeição pré-evento. Um estudo revelou que consumir sumos de frutas e bebidas reconstituídas com alto teor de hidratos de carbono e osmolaridade (uma medida de concentração), imediatamente antes, ou durante, o exercício, desencadeou o início da dor, particularmente em indivíduos susceptíveis. Os sintomas não parecem estar relacionados com a quantidade de comida ingerida (volume gástrico).

Uma explicação, mais complicada, apresentada por alguns investigadores é que a dor lateral é causado pelo alongamento dos ligamentos que se estendem do diafragma até aos órgãos internos, particularmente o fígado, durante o movimento da corrida, enquanto o atleta inspira e estende esses ligamentos. Os corredores tendem a expirar a cada dois ou quatro passos. A maioria das pessoas expira quando o pé esquerdo bate no chão, mas algumas pessoas fazem-no quando o pé direito bate no chão. É o último grupo que parece mais propenso a ter pontos laterais.

Expirar quando o pé direito atinge o solo causa maiores forças no fígado (que está no lado direito logo abaixo da caixa torácica, razão pela qual a maioria das vezes a “dor de burro” aparece do lado direito).

 

TRATAMENTO E PREVENÇÃO

Quando a “dor de burro” aparecer, o atleta deve parar de correr, colocar a mão no lado direito da barriga e empurrar para cima, enquanto inspira e expira, uniformemente. Durante o exercício, as inspirações devem ser profundas. A teoria do ligamento esticado argumentaria que a respiração superficial tende a aumentar o risco do aparecimento da dor, porque o diafragma é sempre levemente elevado e nunca baixa o suficiente para permitir que os ligamentos relaxem. Quando isso acontece, o diafragma fica stressado e a probabilidade de ocorrência de um espasmo, ou dor, é maior.

Algumas outras formas de aliviar a “dor de burro” incluem:

*Alongamento: Levantar o braço direito para cima e inclinar o tronco para a esquerda. Manter durante 30 segundos, soltar e alongar o outro lado.

*Diminuir o ritmo até a dor diminuir.

*Massajar, ou pressionar, a área com dor. Inclinar o tronco para a frente para aliviar a dor.

*Se a dor persistir, consultar o médico.

 

PREVENÇÃO DA “DOR DE BURRO”

*Cronometrar a refeição pré-corrida para permitir a digestão pré-exercício.

*Evitar sumos de frutas e bebidas ricas em hidratos de carbono e osmolaridade antes, e durante, o exercício.

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.