Não há “Highlights” sem “Lowligths”

In Andebol, Artes Marciais, Artigos de Opinião, Atletas - Artigos de Opinião, Atletismo, Basquetebol, Ciclismo, Desporto Aventura, Desporto Escolar, Desporto Motorizado, Desportos de Inverno, Desportos de Raquete, Desportos Náuticos, Destaque, Dirigentes – Artigos de Opinião, Escolar - Artigos de Opinião, Futebol, Futsal, Golfe, Hipismo, Hóquei, Jogos Paralímpicos, Karting, Modalidades, Natação, OCR Police Challenge, Remo, Ténis, Treinadores - Artigos de Opinião by RedaçãoDeixe um comentário

Vivemos num momento de edição. Corta-se, junta-se, e no final só fica o que foi bom para se mostrar na televisão. Os atletas vêm os Highlights da semana, os top 5 do jogo, os top 10 da semana, o resumo do jogo, os golos e momentos, e mesmo sabendo que não foi só aquilo que se passou, parece que se formatam para pensar que é só aquilo que deve acontecer.

Falava esta semana com um agente desportivo que me dizia: “Precisamos muito da sua ajuda, os atletas hoje não sabem reagir ao erros, frustram-se muito rápido, desistem assim que passam por uma dificuldade.”

Verdade. Entre outras coisas, é o efeito dos Highlights. Nos Top 10 da semana, ninguém falha, ninguém se esquece da jogada, ninguém faz a decisão errada, ninguém falha o afundanço, ninguém falha de baliza aberta, ninguém é expulso do jogo. Essas coisas todas aconteceram, mas não vendem, então não se mostram tanto.

Fico a pensar se não seria positivo fazer o Low 10, os piores 5 momentos da semana. Ou então os 5 momentos mais seca da semana. Ter também LowLights. Assim iriamos mostrar ao (jovens) atletas, que 20 segundos depois do afundanço, aquele jogador espetacular deixou o seu defesa cortar pelas costas. Ou vamos mostrar que depois do golo espetacular, o jogador ficou 5 minutos sem tocar na bola, e que nem tudo é high, também há lows.

Seria bom mostrar também os percursos dos atletas que chegaram ao topo, as lesões, as não convocatórias, os jogos maus em que tudo saía ao contrário.

Seria bom, porque assim, quando os atletas hoje no treino e no jogo falharem, ou não forem convocados, ou as coisas não acontecerem como ele estava à espera TAMBÉM TEREMOS EXEMPLOS. Precisamos de LowLights.

Só temos exemplos do espetacular,  aliás, bombardeamentos do espetacular. Não temos assim muitos do cair e levantar, do falhar e recuperar, do que não está a jogar mas treina a todo o gás.

Entender o caminho para chegar ao Highlight, é muito mais importante do que o Highlight em si. Sem esse trajeto de LowLights, não há Highlights.

 

Nádia Tavares

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.