Top 7 das lesões desportivas mais frequentes

In Artigos de Opinião, Lesões Desportivas, Medicina - Artigos de Opinião, Medicina Física e Reabilitação - Fisiatria by RedaçãoDeixe um comentário

#7 EPICONDILITE (TENNIS ELBOW)

O Que É?

É uma dor localizada na zona lateral do cotovelo.

Esta lesão é comum, entre os desportistas, e, apesar do seu nome, é diagnosticada em apenas uma pequena percentagem de praticantes de ténis. O tratamento, normalmente, é simples mas, este tipo de lesão, precisa de tempo e descanso. No entanto, se a lesão se tornar crónica, pode ser difícil de tratar.

Causas

As causas mais comuns são a inflamação, ou degeneração (pequenas ruturas), dos tendões dos extensores do punho, no local de inserção no cotovelo, originadas por movimentos repetitivos destes músculos.

Sintomas

O sintoma mais comum é a dor na zona lateral do cotovelo (1 a 2 cm abaixo do osso do cotovelo). Poderá também haver fraqueza nos músculos do antebraço e punho, o que causa dificuldade em executar tarefas simples como rodar a maçaneta de uma porta ou apertar a mão a alguém.

 Tratamento

O tratamento passa por reduzir a dor e a inflamação, através de descanso e gelo e, depois, introduzir o aumento gradual de peso, através de exercícios específicos, até que o treino e competição possam ser retomados.

A terapia PRICE deve ser aplicada nas primeiras 72 horas após a lesão.

A Massagem Transversal Profunda também costuma ser eficaz mas apenas quando a fase aguda da lesão tiver passado (aproximadamente 5 dias).

#6 SÍNDROME FÉMURO-PATELAR (RUNNERS KNEE)

O Que É?

O Síndrome Fémuro-Patelar, também conhecido por “joelho do corredor”, condromalácea patelar ou dor anterior no joelho, é um termo genérico, usado para descrever a dor anterior do joelho, na zona da rótula.

 Causas

Pensa-se que a causa primária do SFP é a fricção causada pelo excesso de uso, ou seja, pelo movimento repetitivo da rótula sob o fémur. As causas podem ser externas, tais como um aumento súbito no treino, ou internas, tais como a instabilidade da rótula.

Sintomas

O sintoma mais comum é a dor na zona anterior do joelho. Outros sintomas associados: edema do joelho, dor na articulação do joelho, dor no joelho ao agachar, correr ou sentar

Tratamento

Primeiro que tudo, há que ter paciência pois a dor fémuro-patelar pode levar até seis semanas a desaparecer.

O tratamento inicial passa por reduzir a dor e o edema (PRICE) bem como identificar as possíveis causas e corrigi-las.

É importante a prática de exercícios de baixo impacto durante a recuperação.

Para além dos referidos anteriormente, os objetivos da reabilitação passam, ainda, pelo fortalecimento dos músculos da coxa e joelho, aumento da flexibilidade dos músculos da coxa, entre outros.

#5 RUTURA DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR (LCA)

O Que É?

Os ligamentos são bandas de tecido fortes, que ligam os ossos, entre si. No joelho, existem quatro ligamentos: o ligamento cruzado anterior (LCA), o cruzado posterior (LCP) e os laterais interno e externo. O LCA é um dos ligamentos que está no interior do joelho e é aquele que sofre lesões mais frequentemente

Causas

Mudanças súbitas de velocidade e/ou direção, movimento de rotação do joelho, com o pé fixo no chão, aterragem incorreta, ao saltar, colisão direta no joelho, são as causas mais frequentes da rutura do LCA.

Sintomas

Dor (normalmente súbita e severa), estalo forte, quando a lesão ocorre, edema, nas primeiras 24 horas após a lesão, sensação de “articulação solta”, incapacidade para colocar peso no joelho, sem sentir dor.

 Tratamento

Estas lesões requerem atenção médica e, em alguns casos, a cirurgia é necessária.

Terapia PRICE, nas primeiras 48 horas após a lesão.

O uso de uma joelheira ajuda a estabilizar o joelho e a prevenir novas lesões.

Exercícios de alongamento suave, se o médico recomendar.

Pode ser necessário procurar um fisioterapeuta para orientação nos exercícios.

Cirurgia

É frequente recorrer à cirurgia, quando ocorre uma rutura do LCA. No entanto, apenas o médico pode dizer se esta é necessária, ou não. Na maioria dos casos em que ocorre rutura, ou estiramento exagerado, a única opção é a cirurgia de reconstrução do LCA.

#4 CANELÍTE

O Que É?

Dor na zona anterior da tíbia.

É uma queixa comum, nos atletas, especialmente naqueles que costumam correr médias e longas distâncias.

Causas

A causa da canelíte é o stress causado nos tecidos que rodeiam a tíbia, causando dor e inflamação. A canelíte poderá ser, ainda causada por: pé chato, calçado inadequado, falta de aquecimento, no início do treino, ou de alongamento no final do mesmo e fraqueza muscular do tronco, anca e tornozelos.

Sintomas

Dor, na zona anterior da tíbia, ao correr ou ao fazer sprints. A dor pode ocorrer no início do exercício, aliviar durante o mesmo e piorar no fim, ou após a sessão de treino.

Tratamento

Terapia PRICE, nas primeiras 48 horas após a lesão.

Massagem Desportiva

Exercícios de alongamento dos músculos anteriores da perna e dos gémeos.

4 Sinais da Recuperação da Canelíte

* A flexibilidade da perna lesionada é igual à da outra perna.

* A perna lesionada está tão fortalecida como a outra perna.

* A pressão nas zonas que eram dolorosas pode ser suportada.

* Ausência de dor na corrida, sprints e saltos.

#3 DISTENSÃO DOS ÍSQUIO-TIBIAIS

O Que É?

Os ísquio-tibiais são um grupo de três músculos, situados na zona posterior da coxa, sendo responsáveis pela flexão do joelho.

As distensões dos ísquio-tibiais são muito comuns e dolorosas e podem levar a ruturas musculares.

Causas

É comum este tipo de lesão ocorrer em atividades que envolvem muita corrida, ou saltos, ou paragens ou arranques súbitos.

Outras causas: aquecimento inadequado, encurtamento do quadricípede, fraqueza dos glúteos (os glúteos e os ísquio-tibiais trabalham em conjunto e, se os primeiros estiverem fracos, sobrecarregam os segundos.

Sintomas

Dor súbita e forte, durante o exercício, dor na zona posterior da coxa e na zona inferior da nádega, ao andar, endireitar a perna, ou inclinar o tronco para a frente, aumento da sensibilidade e hematoma.

Tratamento

Dar descanso à perna, evitando, ao máximo, colocar peso na mesma. Se necessário, usar canadianas, até a dor passar.

Gelo, durante 20 a 30 minutos a cada 3 a 4 horas, durante as primeiras 48 a 72 horas, ou até a dor desaparecer.

Usar uma coxa elástica, para prevenir o aparecimento de edema.

Elevação da perna, nas posições de sentado ou deitado.

Exercícios de alongamento e fortalecimento, sob recomendação médica.

Nos casos mais graves, quando existe rutura, a cirurgia pode ser necessária.

#2 PUBALGIA

O Que É?

Resulta do uso repetitivo, e excessivo, da sínfise púbica e as estruturas associadas a esta.

 Causas

Normalmente é causada pelo stress físico dos atletas, associado a movimentos corporais compensatórios realizados durante uma atividade física, sobrecarga na região do púbis, baixo ventre e disfunção no sistema músculo esquelético. Também pode ser causada pelo desequilíbrio entre a musculatura abdominal e das coxas (adutores), associada ainda à sobrecarga de exercícios, redução da mobilidade das articulações da anca e sacro-ilíaca (ossos sacro e ilíaco), micro lesões dos músculos adutores e enfraquecimento da musculatura abdominal.

Sintomas

Dor e aumento da sensibilidade, na zona do abdómen inferior (púbis), virilha e zona interna da coxa, durante a corrida, exercícios abdominais e agachamentos

Tratamento

Dependendo da extensão da lesão, normalmente o tratamento conservador é eficaz.

Terapia PRICE, o mais rápido possível após a lesão e durante as primeiras 72 horas.

Coxa elástica, ou banda neurouscular.

Exercícios de fortalecimento muscular e alongamento ativo, após a fase aguda da lesão (72 horas).

Massagem após a fase aguda da lesão (requer aconselhamento prévio, do médico ou fisioterapeuta).

Nos casos mais ligeiros, o regresso à prática desportiva pode ocorre entre 3 a 5 dias. Nos casos mais graves, o repouso e o tratamento devem durar entre 3 semanas a 3 meses, podendo estender-se até 6 meses.

O tratamento cirúrgico deve ser considerado se o tratamento conservador for mantido durante 3 meses, sem que se notem resultados.

 
#1 ENTORSE DO TORNOZELO

O Que É?

Estiramento excessivo dos ligamentos do tornozelo, podendo resultar na rutura dos mesmos. O entorse do tornozelo é classificado em 3 graus, de acordo com a extensão da lesão: grau 1 (estiramento dos ligamentos, sem rutura), grau 2 (estiramento dos ligamentos, com rutura parcial dos mesmos) e grau 3 (estiramento dos ligamentos, com rutura total dos mesmos).

Causas

Este tipo de lesão é frequente em desportos onde se salta, ou exista a possibilidade de pisar um companheiro de equipa, ou adversário, como no basquetebol, futebol ou voleibol.

Sintomas

Dor, sensibilidade ao toque, edema, hematoma, comichão, pé frio ou dormente, rigidez.

Tratamento

Em média, os entorses do tornozelo podem demorar até 6 semanas a recuperar mas podem chegar a demorar 4 meses.

Terapia PRICE, nas primeiras 72 horas.

A Fisioterapia e os exercícios de reabilitação têm um papel extremamente importante, nos entorses do tornozelo pois se este não recuperar devidamente, a articulação pode tornar-se instável e desenvolver dor crónica, tornando o tornozelo fraco e com maior probabilidade de novas lesões.

O regresso ao treino e atividade física não deve acontecer até que seja possível suportar o peso do corpo no pé lesionado, sem dor.

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.