Trabalho, disciplina, rigor, ambição e positivismo

In Artigos de Opinião, Atletas - Artigos de Opinião, Destaque, Futebol Formação, Orientação e Controlo de treino, Psicologia do Desporto/ Coaching Desportivo, Treinadores - Artigos de Opinião by RedaçãoDeixe um comentário

Devido a exigência que existe no futebol profissional, a formação também terá de se assemelhar no que diz respeito a esse processo, pois só assim teremos atletas com potencial mental para integrar equipas de topo.

José Mourinho (2003, p.1), afirma que “adora encontrar um jogador com debilidades táticas, mas pretende futebolistas motivados e com vontade de aprender a cada dia que passa”.

Treinadores de elite dizem-nos que “um jogador pode ter muito talento, mas aquilo que fará a diferença será o seu caráter. São esses os grandes jogadores de futuro, pois num jogador de elite serão esses os pontos decisivos”, é por isso que isto terá de se assemelhar na formação de jovens jogadores. Estes também afirmam que “para que um jovem jogador seja formado com sucesso, deverá ser eficaz a nível técnico-tático, físico e sobretudo a nível mental”. Mas para que isso seja alcançado com sucesso, ao jogador terá de lhe ser incutido valores de trabalho, disciplina, rigor, confiança e grande ambição para se tornar um jogador de elite.

Dado a exigência do futebol profissional, o futebol de formação terá de ter a mesma exigência. As competências sociais e psicológicas são de extrema importância, devemos incutir atitudes e valores dentro e fora de campo aos jovens futebolistas para que estes construam e moldem a personalidade. Estes valores não serão apenas importantes no futuro de um futebolista, também terão grande importância no futuro como homens, pois poucos são aqueles que chegam ao topo, mas estes valores serão importantes na vida futura de um jovem fora do mundo do futebol.

É por isso que estes valores devem ser trabalhados e desenvolvidos ao longo do processo de formação do jovem futebolista.

Aos jogadores, devem-lhe ser incutidos um espírito e uma cultura de vitória, estes terão de estar habituados a ganhar. “Uma equipa de futebol só é digna disso mesmo, quando todos os jogadores, sem exceção, querem ganhar, independentemente de jogarem ou não” (Mourinho, 2002, p.17).

No entanto ganhar não se cinge ao número e ao resultado final. Ganhar significa “ganhar cada treino, ganhar capacidade para jogar, ganhar capacidade de sofrer, ganhar vontade de jogar e ganhar, ganhar espaço para jogar, ganhar cada duelo. Ganhar cada situação de finalização, ganhar uma equipa” (Mourinho, 2002, p.20.

O jovem futebolista deve superar-se e desenvolver valores de autossuperação individual e coletiva, pois o processo de formação tem de ser positivista, ultrapassando adversidades com vontade e ultrapassar as diversas situações.

 

Bibliografia

Mourinho, J. (2002). José Mourinho. Revista Dragões, Ano 16, Janeiro, nº 201, 14-35.

Mendes, F. (2014). Relatório de Estágio. Processo de Treino num clube de sub-17. Tese de Mestrado. Universidade de Trás-Os-Montes e Alto Douro

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.