Vítor Pascoal bisou no Constálica Rallye Vouzela

In Destaque, Rally by RedaçãoDeixe um comentário

Amarantino teve forte concorrência em Lafões, mas acabou por atacar no momento certo e vencer à geral. No “Regional Centro”, José Gomes também repetiu a dose, com o viseense a cotar-se o mais rápido, à frente de Luís Mota e David Lucas.

Vítor Pascoal

Ao volante de um Porsche 997 GTE, Vítor Pascoal venceu este domingo à geral o Constálica Rallye Vouzela, sétima prova pontuável do Campeonato Centro de Ralis. Apesar de rodar em lugares secundários quase durante toda a prova, o piloto de Amarante tomou de assalto o comando a três especiais do fim.

O nortenho iniciou a prova na expectativa, atacou no momento certo e chegou à liderança, apostando, posteriormente, no controlo do sistema de gestão e festejou o segundo triunfo consecutivo na prova do Gondomar Automóvel Sport, promovida pela Promolafões.

Navegado por Ricardo Faria, Vítor Pascoal cotou-se o mais rápido com o tempo de 48m54,1s, relegando para a segunda posição Alfredo Barros e Paulo Alves (Ford Fiesta R5), a 26,2 segundos de diferença.

Refira-se que o piloto de Paredes foi uma agradável surpresa na prova promovida pela Promolafões, deixando um rasto de excelência, patenteando um planeamento bem orquestrado e vincando a sua ousadia ao volante da viatura da marca oval.

Carlos Fernandes

Numa prova em que se viveram muitas aventuras e peripécias, com inúmeros abandonos à mistura, sobretudo para os R5, Alfredo Barros, Vítor Pascoal e Carlos Fernandes entraram decididos nas três últimas especiais a adquirir o ritmo e fôlego no sentido de dar o impulso para conquistar os melhores lugares da classificação geral.

A segunda abordagem pela especial de Senhora do Castelo, Vítor Pascoal, à semelhança do sucedido na terceira especial, foi o mais rápido, apresentando desde logo as credenciais para trocar as posições no contexto da liderança, vencendo também os dois últimos compromissos, “saltando” para o comando.

Estava finalmente descodifica a “chave” que iria ditar o vencedor do 5º Constálica Rallye Vouzela, embora ainda antes da partida para a segunda passagem pela especial de Senhora do Castelo, na distância de 6,09 km, Alfredo Barros tenha afirmado que iria andar ao ritmo que tinha adotado no período matinal, ou seja, não alterar a estratégia, acabando por ser surpreendido por Vítor Pascoal e Ricardo Faria (Porsche 997 GTE).

Alfredo Barros

Carlos Fernandes, que terminou o período da manhã com o triunfo na especial de Moçâmedes, aproveitou a passagem pelo parque de assistência para dar a conhecer alguns constrangimentos a que estava cingido. Com a equipa e mecânicos de volta do Mitsubishi Lancer Evo VI, o piloto de Sintra enumerou, entre outros, a continuidade de manter os pneus usados e um problema de uma vela com polo colado, pelo que a receita era a de andar depressa, terminar a prova mas sem correr riscos desnecessários.

Carlos Fernandes acabou por terminar no lugar mais baixo do pódio, a 39,5 segundos do vencedor, mas a sublinhar o triunfo no Desafio Kumho Portugal, à frente de Gaspar Pinto, navegado pelo presidente da Associação Portuguesa de Pilotos Automóvel (APPA), António Duarte, que terminou a prova à geral no 11.º lugar.

 

José Gomes volta a triunfar

Campeonato Centro de Ralis

Os pilotos viseenses José Gomes (Citroën Saxo Kit Car) e Hugo Lopes (Peugeot 208 R2), navegados por Bruno Pedrosa e Nuno Ribeiro, terminaram na quarta e quinta posição à geral, a 2m31,5s e 2m42,3, respetivamente, separados por 10,8 segundos.

No entanto, o grande vencedor foi mesmo José Gomes que, pela segunda vez, venceu a prova do Constálica Rallye Vouzela a contar para o Campeonato Centro de Ralis, premiando o esforço e abnegação, cabendo às duplas Luís Mota/Alexandre Ramos (Mitsubishi Lancer Evo VII) e David Lucas/Roberto Santos (Peugeot 206 GTI) a segunda e terceira posição.

Inglória foi as prestações de Diogo Simões e Tiago Neves (Renault Clio RS) e Filipe Abrantes e Marco Vilas Boas (Citroën C2 R2). As duas equipas, que se apresentaram na prova do Gondomar Automóvel Sport com a ambição de “atacar” os lugares cimeiros, dada a ausência de Eduardo Veiga e Justino Reis – razão pelo qual partiram, respetivamente, com o número 1 e 2 nas portas –, acabaram por abandonar e manter tudo na mesma em termos de pontuação para o respetivo campeonato.

 

Abandonos de vulto

Numa prova em que terminaram 21 equipas, muitas foram aquelas que regressaram mais cedo a casa, como foi o caso, por exemplo, de Gustavo Moura, navegado por Paulo Lopes, que se entusiasmou com o comando da prova mas viria a capotar com o Skoda Fabia R5, na quarta especial (Penoita 1).

Tratou-se de uma perda importante para a prova do Gondomar Automóvel Sport – o piloto nortenho foi o mais rápido na super-especial nocturna realizada na véspera –, numa altura em que Carlos Matos e Jorge Henriques, com problemas de pinças de travões no Peugeot 208 T16 R5 e António Dias e Nuno Rodrigues da Silva, traídos pelo diferencial no Skoda Fabia R5, também já tinham abandonado nas duas especiais anteriores.

 

Fábio Paço com duplo triunfo na Copa Peugeot 106

Aos comandos de um Peugeot 106 XSI, a dupla formada por Fábio Paço e Pedro Moura saíram de Vouzela com dupla vitória: triunfou a prova destinada à Copa Peugeot 106 e sagrou-se vencedora da competição absoluta, beneficiando do abandono da formação Rafael Pereira e António Pereira. À partida para o Constálica Rallye Vouzela, Fábio Paço usufruía de 75 pontos e Rafael Pereira com 48.

Com os 25 pontos ganhos na prova do Gondomar Automóvel Sport, Fábio Paço e Pedro Moura, que dominaram de fio-a-pavio, saíram coroados de Vouzela, com Rui J. Ferreira e Luís Ferreira a terminarem no segundo lugar, com as equipas Carlos Delgado/Davide Mendes e Delbin Alonso/Eva Rodriguez nos lugares seguintes.

 

Filipe Leite vence Challenge 1000 e recupera liderança

No Challenge 1000, a vitória sorriu a Filipe Leite e José Carlos Silva, em Peugeot 107, com o tempo total de 1h04m50,5s, depois de uma prova bastante animada, em que os pequenos Peugeot 107 e Citroën C1 revelaram, mais uma vez, a garantida fiabilidade, com todas as viaturas a terminarem mais uma competição.

O segundo lugar ficou na posse da dupla mais jovem constituída por Pedro Pereira Jr e Sandro Trindade, também num Peugeot 107. Apesar de um erro de percurso logo de manhã, o piloto do Buçaco, no entanto, procurou de imediato encurtar a distâncias para os seus mais diretos opositores, chegando a Vouzela no lugar intermédio do pódio, com António Joaquim Pereira e Martim Pereira, aos comandos de um Citroën C1, a cotarem-se os terceiros mais rápidos.

Depois de uma super-especial notável e a rubricar o melhor crono na super-especial nocturna de sábado, recebendo os aplausos do público, Frederico Luís, promotor do Chalenge 1000, navegado pelo jovem poiarense Gonçalo Henriques, conduziu o Citroën C1 ao quarto lugar.

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.