Grupo Desportivo Santacombadense e a entrevista ao Treinador João Lopes

In Modalidades by RedaçãoDeixe um comentário

O Grupo Desportivo Santacombadense convidou o Mister João Lopes para uma conversa breve que decorreu num ambiente informal, em clima de grande descontração e que abaixo transcrevemos para o conhecimento de todos:

É a primeira experiência ao nível Sénior. Foi difícil aceitar este convite?
Tudo na vida tem uma lógica. Depois de ter aceite o convite para ser o Coordenador Técnico de todo o futebol de formação, a estrutura para o futebol entendeu que o projecto Senior tinha tudo a ganhar se fosse assumido por alguém com ligação à formação.
Como um dos principais objectivos deste projecto integrado é vir a ter, a curto prazo, um plantel Sénior constituído integralmente por jogadores da formação, aceitei o desafio com grande felicidade.

Como está a decorrer a Pré-Época?
Com normalidade. Existe uma grande sintonia entre atletas, direção e equipa técnica e estamos num processo de crescimento em todas as vertentes.
Sabemos o que queremos e os objetivos estão perfeitamente definidos, por isso a Pré-Época está a decorrer dentro do que foi planeado.

Quais os objetivos para a próxima época?
Obter melhor classificação do que nos últimos 3 anos e assumir o plantel Sénior como uma referência para a nossa formação. Vamos assumir o compromisso de entrar em todos os jogos com o pensamento nos 3 pontos, até porque a história do clube assim o exige!
Mas queremos ser uma equipa com comportamento exemplar, uma equipa que, dentro do contexto do projeto integrado Pinguinzinho e GDS, possa orgulhar todos os Santacombadenses.
Vamos fazer de tudo para voltar a ter as pessoas de Santa Comba Dão envolvidas nesta caminhada. Sabemos perfeitamente quais são as nossas limitações, mas não vamos deixar de ser ambiciosos por isso, porque vamos trabalhar para as ultrapassar.

Satisfeito com o plantel disponível para esta época de 2017/2018?
Claro que sim. Para competir nesta divisão e para o desenrolar do projeto o mais importante é trabalhar com Homens com “H” grande.
Quem estiver a trabalhar comigo sabe que tem de ter capacidade de compromisso e responsabilidade. Estou muito satisfeito com os jogadores que tenho. São atletas com muitas qualidades humanas e isso deixa-me completamente tranquilo.

Como classifica o plantel?
A maioria dos atletas são muito jovens mas depois temos um grupo de jogadores mais velhos que vão garantir experiência dentro e fora das 4 linhas.
Eu diria que se trata uma turma do sétimo ano, que tem enorme alegria e ambição, estando completamente identificados com o GDS e com o seu projeto de formação integrado.

A equipa técnica foi toda escolhida por si?
Sim, foi e tenho ao meu lado duas pessoas com enormes qualidades.
O Joao Ventura e o Armando são pessoas muito dinâmicas e com enorme gosto pelo futebol. Considero que estou muito bem acompanhado.

O campeonato distrital está a começar. Quais as expectativas?
Vamos ter um campeonato muito competitivo e exigente, com equipas com grande potencial, o que é extremamente positivo para nós.
Queremos crescer e, para isso, nada melhor que um campeonato que tenha qualidade.

A formação e o projecto Sénior estão em sintonia?
Claro e foi exactamente com esse objectivo que aceitei este convite, estando a trabalhar nas duas vertentes. É um enorme prazer ver os nosso atletas da formação a irem ver os jogos da equipa Sénior. Mas queremos mais…
Os nossos atletas da formação vão começar a ter como objetivo representar os Seniores, sendo motivo de grande orgulho todos aqueles que o consigam fazer no futuro. Era assim quando eu aqui fiz a minha formação e vai voltar a haver novamente essa identificação com a mística do GDS. Lembro-me perfeitamente de vir assistir aos jogos do GDS, com o Estádio completamente cheio e recordo-me de pensar que dava tudo para um dia poder estar a entrar em campo ao lado daqueles que eram as minhas referências da altura.
Por isso reafirmo que estamos em perfeita sintonia.

O GDS tem argumentos para, a médio prazo, voltar aos tempos de glória do passado?
Estou convencido que sim. Neste momento, a direção está a fazer um esforço enorme para criar todas as condições para os atletas e técnicos se sentirem motivados, sendo um dos maiores exemplos a implantação do sintético no mítico Dr. Estevão Faria.
Mas é preciso mudar mentalidades! Precisamos de pessoas que acreditem no projeto e se queiram envolver, sendo que tentar fazer algo já é extremamente positivo. Precisamos de todos.
Por isso acredito que estas pessoas estão a dar tudo para reerguer o clube. E esse enorme esforço vai dar frutos…os primeiros estão à vista, com o aumento significativo dos jovens na formação e a aposta firme na constituição da equipa de Juniores A, já na próxima época.

Sabemos que a abordagem que faz ao futebol não se resume ao que se passa dentro das 4 linhas. Quer explicar?
O futebol é o maior desporto do planeta e, na minha opinião, é algo que proporciona emoções fantásticas e sentimentos opostos de alegria e frustração. É fundamental saber conviver com isso e saber ter comportamentos adequados na vitória e na derrota. Os meus jogadores sabem que faço disso um ponto de honra e é algo de que nunca abdicarei. Está no meu ADN e estará sempre no ADN das minhas equipas.
Por outro lado, o futebol fora das quatro linhas tem algo pelo qual sou completamente apaixonado e que é provavelmente o motivo pelo qual aceitei assumir este projecto, que são as amizades.
As amizades são os melhores troféus que o futebol pode dar. E já conquistei muitos…

Quer pedir alguma coisa aos Santacombadenses?
Casa cheia para o jogo da Taça, na recepção ao CAMPIA, no dia 8 de Outubro, no Estádio Municipal!

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.