Canas de Pesca – A cana é o osso do braço mais longo!

Em Pesca por AdminCometário de 1

A cana de pesca é um dos principais equipamentos na pesca lúdica e desportiva, é em torno dela que todos os outros equipamentos e acessórios se vão movimentar e ajustar, deste modo queremos ajudá-lo com a informação necessária para poder escolher a melhor cana que se adapte às suas necessidades, dependendo do tipo de pesca em águas interiores (doce) ou em águas oceânicas (mar), consoante o estilo ou modalidade de pesca que vai praticar.

Existem variadíssimas modalidades de pesca com várias vertentes dentro das mesmas e cada cana tem especificidades e características que se adaptam ao tipo de pesca em questão em que todas as características que as compõem vão definir se é uma cana de baixo, médio ou alta gama, para os vários tipos de pesca como o Surfcasting, Spinning, pesca à Boia, pesca de Barco, Francesa, Inglesa, Bolonhesa, Pluma, etc, pois cada modalidade tem pequenos e grandes detalhes que os tornam diferenciadores entre cada modalidade e vertentes.

Que materiais são usados no fabrico de canas de pesca?

A qualidade final de uma cana de pesca depende da qualidade de cada um dos seus componentes que a formam separadamente, e juntos formarão uma cana de entrada de gama, média ou topo de gama. Existem três fatores fundamentais para se poder dizer que estamos perante uma boa cana de pesca:

  1. O tipo de material de cada componente: influencia muito o material usado em cada componente, como passadores, blanck, porta carretos, o punho, etc.
  2. A ergonomia da cana: aqui influencia o conforto, equilíbrio, manuseio e peso da cana.
  3. O tipo de carreto: a escolha de um carreto que se adapte à cana é essencial, a cana e o carreto devem formar um conjunto perfeito.

A evolução das canas de pesca nos últimos quarenta anos é abismal para os mais velhos e nostálgicos quem não se lembra das míticas canas da índia feitas de bambu que tantas alegrias deram a pescadores pela sua força e flexibilidade, mas sendo um material natural e com a evolução tecnológica que também chegaram ao mundo da pesca desportiva e que trouxeram novos materiais para a construção e design numa evolução natural passando pelas canas de fibra de vidro e mais recentemente na ultimas décadas com o aparecimento das fibras de carbono.

A utilização destes novos materiais tornou as atuais canas de pescas mais fortes, mais resistentes, mais leves, flexíveis e equilibradas através da mecanização e industrialização no processo de construção reduzindo os custos de produção e abrindo a uma grande oferta de modelos produzidos feitos de material sintéticos que melhoraram as características e capacidades individuais de cada cana suportando novos pesos na sua ação, maior ou menor flexibilidade de encontro com os gostos e interesses de cada pescador no estilo ou tipo de pesca que pratica.

Nomenclaturas de acordo com o material de fabrico:

Denominação Ton

  • 24 toneladas: módulo padrão de grafite
  • 30 toneladas: grafite módulo médio / alto
  • 36 toneladas: módulo alto de grafite

Denominação IM:

  • IM6:. Grafite 30 a 38 milhões de psi, módulo padrão
  • IM7:. Grafite 35 a 42 milhões de psi, módulo intermediário
  • IM8:. Grafite 42 a 50 milhões de psi, módulo intermediário / alto
  • IM10: Grafite em torno de 50 a 60 milhões de psi, módulo alto

Que questões deve fazer antes de escolher uma cana de pesca

As canas de pesca são o elemento principal para podemos pescar existem vários benefícios em ter uma cana de qualidade adequada ás nossas necessidades e características orientada ao tipo de pesca que praticamos. Muitas das pessoas na iniciação à pesca e de uma forma natural e compreensível optam por material mais barato de menor qualidade outros optam logo por material de topo de gama, mas pescar leva uma vida de aprendizagem a cada jornada que se efetua aprendemos algo de novo, novas questões se levantam e outras se desmistificam, contudo, a opção de cada um é variável de acordo com as suas ideias, conhecimentos e disponibilidade financeira.

Mas no final todos o que procuramos numa cana é o desempenho!

Antes de adquirir uma cana de pesca deve efetuar as seguintes perguntas:

  • Para quem é a cana de pesca? Para si mesmo, para um familiar, para um amigo.
  • Qual a sua área de pesca? Oceânicas (Mar), Águas Interiores (Doce)
  • Onde vai pescar? Barco, rochas, praias, rios, barragem, albufeiras, molhos, etc.
  • Que tipo de pesca vai praticar? Surfcasting, Embarcada, Corrico, Boia, Bolonhesa, Spinning, Francesa, Inglesa, etc.
  • Periocidade e quanto tempo vou pescar? Diariamente, semanalmente, duração média das jornadas de pesca
  • Que tipo de peixe quer pescar? Existem milhares de espécies cada uma com suas peculiaridades

Uma cana de boa qualidade pode nos poupar a muitos dissabores e dores de cabeça, da mesma forma que terá influencia nos lançamentos, no ferrar do peixe, na recuperação durante a captura pois não nos podemos esquecer que a pesca é uma disciplina altamente técnica, um bom exemplo é a sua sensibilidade na ponteira, quando o peixe morde a isca no anzol pois com canas mais rígidas teremos maior dificuldade em sentir a ferroada e em reagir em conformidade, por outro lado e conforme o tipo de pesca pode-nos limitar consoante a sua ação na utilização de chumbadas ou amostras mais pesadas como também em lançamentos mais longos caso haja essa necessidade pelo tipo de pesca praticado.

Conselhos e dicas para escolher a nossa cana de pesca

Existem vários aspetos diferentes a serem equacionados antes da escolha e compra da melhor cana possível de acordo com as necessidades individuais de cada um de nós:

A modalidade e vertente/tipo de pesca que quer praticar:

A escolha de uma cana de pesca depende do local onde vamos pecar, por exemplo na praia (Surfcasting), de barco, num molho ou pontão, numa falésia em altura, pedras ou rochas, etc. Por exemplo, a pesca de água doce em numa barragem ou rio requer materiais diferentes do que se precisa para pescar em água salgada. Isso ocorre porque os equipamentos e materiais de pesca de água salgada são feitos de materiais específicos destinados a prevenir a corrosão devido ao salitre, por este facto se usarmos equipamentos de agua doce para pescar em agua salgada corremos o risco de o danificar pela ação do salgadiço como também não estaremos a usar o equipamento indicado o que poderá resultar numa má jornada de pesca.

O tipo de peixe que desejamos capturar ou dedicar:

A maioria das pessoas que pescam em barragens, mares ou rios fazem-no por gosto, paixão ou porque geralmente estão mais próximo de casa desses locais. Seria muito útil conhecer e investigar os tipos de espécies que habitam nas águas mais próximas, conhecer os seus hábitos, alimento existentes nos pesqueiros, etc. É recomendável aos pescadores iniciantes que se especializem em uma espécie de peixe em primeiro lugar, e depois, expandam o seu objetivo de capturas a outras espécies quando tiveram mais experiência, como diz o velho ditado…

Aprendiz de muito Mestre de nada.

Conhecer os vários tipos de canas e as partes que as compõem vai possibilitar uma melhor escolha:

É necessária a compreensão e conhecimento das diferentes partes de uma cana pois irá ajudar-nos a decidir o que é essencial e funciona melhor e o que deve ou pode ser descartado. Uma cana tem vários componentes, como passadores, ponteiras, o blank, porta carretos, etc., aprender e compreender cada um destes componentes irá torná-lo muito mais consciente na escolha da sua cana, não se esqueça “o saber e o conhecimento não ocupam espaço”.

O orçamento disponível:

Muito do que já se falou anteriormente dependerá da disponibilidade financeira de cada um em poder escolher a “cana perfeita” se é que existe.

Para um pescador iniciante, é aconselhável considerar o tempo que irá dedicar à prática da pesca lúdica e desportiva, se achar que a pesca pode se tornar numa atividade com uma prática regular , é aconselhável começar por canas de pesca de entrada de gama e, pouco a pouco, conforme a experiencia adquirida ir evoluindo para canas de média gama e de custo já um pouco mais acima mais qualidade, até alcançar os modelos de topo de gama e preços mais elevados, a experiencia dar-nos-á conhecimentos e capacidades para extrairmos o melhor de cada cana nas várias fases evolutivas ao longo de cada jornada.

Quais as partes e componentes mais importantes numa cana de pesca?

É importante sabermos e conhecermos os principais componentes a ter em consideração antes de efetuarmos a compra de uma cana, esta é uma tarefa essencial, porque se não sabemos o que temos que equacionar e adquirir certamente não iremos tomar a melhor opção que se ajuste ao que procuramos e queremos adquirir.

Por isso iremos analisar cada uma das partes e componentes fundamentais que constituem uma cana de pesca dentro dos vários tipos existentes que podemos encontrar em qualquer loja da especialidade de forma a ajudar a escolha no acto de compra.

A parte principal de uma cana é o “tubo” que forma a cana na sua composição e comprimento o qual ganha importância relativamente ao local onde se vais pescar, por exemplo uma cana curta funciona bem em locais reduzidos como um barco e leve no caso do spinning, por sua vez uma cana mais comprida será mais apropriada para pescar na praia no caso do Surfcasting que necessita de lançamentos mais longos e elevar a linha em relação à ondulação, ou na pesca á boia quer seja de mar ou em água doces pelas distancias que estamos a pescar e profundidades. O material usado na sua fabricação das canas é variado e a qualidade final do produto dependerá dos materiais utilizados e componentes, dos quais destacamos os seguintes:

Fibra de Vidro

Grande parte das canas atualmente no mercado têm na sua construção este componente essencialmente nas canas de topo e média gama e especificas para algumas modalidades de pesca, sendo um material durável, económico que se adapta á maioria dos variadíssimos tipos de cana.

Grafite

Este material proporciona canas mais forte e com maior sensibilidade, o que se traduz num valor mais alto em relação às anteriores

Fibra de Carbono

Destaca-se como um material muito leve e resistente, enquanto dura, o único senão que podemos encontrar é a propriedade de condutividade elétrica que tem, portanto, em dias de tempestades não é recomendado o uso de canas feitas de fibra de carbono.

Bambu

É um material em desuso na construção de canas, embora ainda existam marcas que utilizem, ou na construção artesanal de canas, mas por ser um produto natural necessita de mais cuidados e manutenção.

Passadores

É um dos componentes mais importantes numa cana de pesca (existem canas sem passadores) são estes o guia da linha que sai do carreto até á ponteira da cana contribuindo para um bom trabalhar da linha quer no lançamento quer na distribuição da tensão exercida durante a recuperação com ou sem peixe repartindo-a ao longo da cana, sendo o número de passadores proporcionais á resistência da cana, dai a importância do material de que são feitos e o seu formato não devem oferecer fricção á passagem da linha ter boa resistência e serem leves para não provocarem desequilíbrio na cana.

Os passadores mais comuns são feitos de alumínio, sendo os de topo de gama em titânio, o revestimento interior em cerâmica ou metal cromado para reduzir o atrito da linha com estes e provocar menos abrasão no fio. Os mais usados são tipo FUJI, adaptados por quase todos os fabricantes que utilizam componentes Fuji ou desenvolveram as suas próprias modificações proprietárias.

Ponteira

A ponteira fica na extremidade da cana oposta ao punho, e é uma pequena parte da cana, muito importante, pois a sua função não é ser forte, mas sim em grande parte sensível ao toque do peixe.

Existem vários tipos de ponteiras que variam consoante a modalidade praticada ou o tipo de cana que são as seguintes:

  • Tubulares: É a ponteira mais comum em que o carbono e feito de uma só peça tubular.
  • Enxertadas: A ponteira enxertada é uma ponteira tubular normal onde foi enxertada uma ponteira de carbono maciço ou de fibra maciça.
  • Híbrida: A ponteira híbrida é produzida numa única peça, o seu fabrico em carbono é manipulado de forma a a dar a esse elemento uma ponta mais fina e sólida.
  • Ponteiras de fibra: São ponteiras mais macias e sensíveis que as de carbono, não partindo tão facilmente.
  • Ponteiras de carbono: São ponteiras mais rijas, não dobram tão facilmente permitindo ferragens mais rápidas, tendo a desvantagem pela sua rigidez de se partirem mais, pois o que não verga parte-se.

Porta Carretos

É um dos componentes mais importantes que faz parte da cana que permite manter e fixar o carreto, existem de vários tipos, há porta carretos de Rosca, Cremalheira, Tubular que podem variar consoante o tipo de cana, o fabricante, a categoria da cana, que podem ter na sua construção materiais como Aluminio, grafite, Nylon. Os mais usados são tipo FUJI, adaptados por quase todos os fabricantes que utilizam componentes Fuji ou desenvolveram as suas próprias modificações proprietárias.

Punho ou Grip

É a zona onde pegamos/seguramos a cana de pesca, é uma das partes principais, pois passaremos horas em contato com punho, portanto, um bom punho deve ser perfeitamente anatômica e devemos nos sentir confortáveis ​​com o material de que é feito e a sua forma, geralmente são feitos de espuma sintética , uma espécie de borracha de espuma dura, consoante a modalidade e o tipo de caba o material do punho pode variar por exemplo ser de cortiça como na pesca de pluma, spinning etc , tornando-se mais confortáveis ​​o seu manuseamento, os punhos devem ser leves e transmitir as picadas do peixe com o maior detalhes possível.

Principais características das canas de pesca

Existem muitas características diferentes que podemos encontrar em uma cana de pesca e saber que isso nos dará uma visão mais ampla de como elas funcionam e qual será a melhor escolha para nossos interesses, usos, aplicações ou tipos de pesca. Como é largamente sabido e do conhecimento geral, cada estilo de pesca exige um equipamento específico para aproveitar ao máximo e obter sucesso em cada jornada de pesca.

As características mais importantes de uma cana/vara são:

  • Potência
  • Ação
  • Resistência ou poder de Lançamento/Arremesso (casting)

Resistência ou poder de Lançamento/Arremesso (casting)

Quando nos referimos à resistência que possui uma cana de pesca, falamos sobre o alcance da resistência que pode suportar a linha de pesca . Portanto, não é recomendável usar linhas com uma resistência muito alta nas canas de pesca de baixa potência ou vice-versa. Dependendo do tipo de peixe que vamos tentar capturar, teremos que usar canas mais ou menos poderosas, de nada nos servirá ter canas muito resistentes para pescar peixe pequeno, pois perderemos sensibilidade e não sentiremos as picadas/mordidas, pelo contrário, ir pescar grandes predadores com canas não adequadas ao peso destes peixes, vamos arriscar partir a cana ou submeter a um esforço superior à sua resistência.

Nas canas também se pode observar qual a capacidade de arremesso (casting height) ou seja qual o menor e maior peso de chumbada que podemos usar para fazer um lançamento eficiente. Este factor ao não ser respeitado, corremos o risco de partir a cana.

Resistência indica a resistência da linha a ser utilizada com a cana, são mencionadas em libras (1lb = 450 g)
Arremesso (casting) indica o peso da isca, ou isca mais chumbada, que a cana pode arremessar, normalmente expresso em onças (1 Oz = 28 gr)
Comprimento indicado em pés (1ft = 30,48 cm)

A Potência da cana indica-nos a força necessária para puxar um peixe e é geralmente indicada pelos fabricantes com as seguintes siglas:

  • UL (ultra light),
  • L ( light),
  • ML (medium light),
  • M (medium),
  • MH (medium heavy),
  • H (heavy),
  • XH (extra heavy),
  • XXH (extra extra heavy).
Classificação Linha – Isco
ULTRA-LEVE (UL) linhas até 0.20 mm (6 lb) e iscas até 5 g (28 g = 1 oz)
LEVE (L) linhas até 0.28 mm (12 lb) e iscas até 12 g ( 28/42 g = 1/1,5 oz)
MÉDIA (M) linhas até 0.30 mm (14 lb) e iscas até 17g (56/84 g = 2/3 oz)
MÉDIA -PESADA (MP) linhas até 0.33 mm (16 lb) e iscas até 21 g ( 84/112 g = 3/4 oz)
PESADA (P) linhas até 0.43 mm (30 lb) e iscas até 42 g ( 112/168 g 4/6 oz)
EXTRA-PESADA (EP) linhas até 0.52 mm (40 lb) e iscas até 90 g (112/224 g 4/8 oz)

Diferenças entre ação e potência de uma cana de pesca

“A ação de uma cana de pesca refere-se a “onde” se dobra e a potencia da cana é “quanto” se curva sem partir.

Para saber um pouco mais sobre as características e atributos que uma cana de pesca pode ter, é conveniente conhecer a sua ação e potência, dois conceitos que às vezes se confundem.

A ação de uma cana de pesca é “onde” a cana dobra quando um peso é exercido na sua ponta.

Para conhecer o tipo de ação, dobra-se a ponta com aplicação de pesos e verifica-se qual é o ponto onde a cana se dobra, quando a curvatura está mais próxima da ponta, a ação é conhecida como rápida, pelo contrário, se o ponto de flexão da cana é mais próximo do porta carretos, ela corresponderá a uma cana de ação lenta.

A potencia de uma cana de pesca é “quanto” dobra a cana quando se efetua o lançamento ou se captura um peixe.

No que diz respeito à verificação da ação, os pesos são colocados na ponta e verifica-se quanto eles afundam, se a ponta da cana curvar muito, a sua potência será menor, com o mesmo peso, se a curvatura da ponta for menor, a cana terá um poder maior.

Tipos de ação da Cana de pesca

Sabendo que a ação de uma cana refere-se a ” onde ” dobra, temos os seguintes tipos de ações:

  • Ação ultra-rápida: dobra diretamente na ponta
  • Ação rápida: dobra no último quarto da cana
  • Ação de média rapidez: dobra no último terço da cana, semi-parabólica
  • Ação moderada ou média: dobra apenas no meio da cana
  • Ação lenta: dobra quase desde o início do punho da cana, parabólica

“A “ação” também pode ser descrita pela quantidade de tempo que leva a base da cana para ir da sua inclinação máxima para a posição inicial ou direta.”

Uma cana de pesca com uma ponta rápida significa que a ponta é flexível e o resto da cana é rígida, e quanto mais lenta a ação, mais dobrar-se-á a nossa cana. Os tipos de ação de uma cana determinam a sua flexibilidade e, em parte, a quantidade de controle que podemos ter sobre as nossas capturas. Uma cana de ação rápida é mais sensível em comparação com uma cana de ação normal.

Aplicação em função da modalidade de pesca ou tipo de cana:

As canas de pesca de uma maneira geral diferem entre si quanto ao tipo de pesca a praticar:

  • Surfcasting: Cana para pesca de praia, o seu comprimento pode superar os 4,50m, tendo como referência principal a sua capacidade de arremesso(lançamento) ou casting weight;
  • Boia: Cana para pesca em rochas, molhos, pontões no mar ou em rios, barragens ou albufeiras, normalmente o seu comprimento mínimo é de 5m podem ter passadores ou não.
  • Spinning: Canas específicas para utilização com carretos bobina fixa normalmente de pequeno porte, largamente também usadas na pesca embarcada;
  • Baitcast: Cana construída para ser usada com carretos de bobina móvel e aplicada para pesca de lançamento com amostras (iscas artificiais);
  • Trolling: Equipamento desenvolvido para pesca de corrico. São canas curtas com grande resistência, dependendo da categoria de pesca possui roldanas em vez de passadores;
  • Fly: Canas utilizadas para o arremesso de linha que é específica na pesca à mosca, as amostras (iscas, moscas, plumas) desta modalidade não possuem peso, a linha é que transporta a isca até ao local desejado.
  • Canas de pesca para rio (Águas Doces): Este tipo de canas para pescar em águas fluviais são sem dúvida especiais, são canas diferentes às quais estamos acostumados a ver nas praia das costas marítimas. As canas para a pesca da truta ou black bass em rios, barragens ou albufeiras são denominadas para a pesca à mosca ou para pesca à carpa. Os materiais utilizados nas canas para o rio geralmente são punhos de cortiça anatômicos, uma vez que não têm que lutar com o sal que produz corrosão nos componentes. São canas mais curtas e mais flexíveis para uma melhor manipulação e lançamento da linha de mosca, usada na pesca com mosca. Claro que existem diferentes gamas, sendo a fibra de carbono a mais recomendada.
  • Cana inglesa: Permitem lançar bóias à inglesa para longe graças ao grande número de passadores que deixarão o fio correr livremente pela cana.
  • Cana bolonhesa: Canas geralmente compridas com passadores que permite controlar melhor a ação da boia em longas distancias.
  • Cana de fundo/ feeder: É uma cana utilizada na pesca ao fundo sem boia em rios, barragens, etc onde a ponteira da cana tem a sua importância de forma a detetar os toques mais delicados, é importante que a parte superior da cana seja suficientemente macia para poder comunicar toques ligeiros.
  • Telescópicas: Quando falamos sobre esse tipo de canas, referimo-nos àquelas cujas seções estão dentro uma da outra. Uma das vantagens das canas telescópicas é que, quando elas são fechadas, ocupam muito pouco espaço, com até 1 metro de comprimento, já que, como dissemos, suas diferentes seções vão de menor espessura a maior dentro uma das outras até ficarem fechadas em uma única seção. Uma vez que a cana é expandida na sua totalidade pode atingir até os 9 metros de comprimento, as canas telescópicas usadas na pesca de boia, este sistema também faz com que o peso da cana seja muito reduzido, especialmente nas canas telescópicas de fibra de carbono. Em muitas outras ocasiões, as canas telescópicas são projetadas para não serem usadas com carretos e/ou passadores (Canas Diretas), outras são canas telescópicas para Surfcasting (telesurf). As canas telescópicas podem ser usadas tanto no mar como no rio, simplesmente vem com pequenas peculiaridades, dependendo se forem para águas doces ou marítimas.

Cuidados e manutenção

Após cada jornada de pesca, a manutenção das canas é muito fácil se não houver elementos ou passadores partidos. A manutenção e conservação baseia-se apenas na remoção de sujidade e gordura acumulada após cada jornada de pesca.

Após a pescaria, lave com água e sabão neutro e deixe-a secar à sombra para não manchar a pintura. Nunca use produtos corrosivos ou com ácidos para limpeza.

Os passadores e a ponteira devem ser lavados com uma pequena escova (tipo escova de dentes) com água e sabão, para que a composição do fio e resina usados na fixação dos passadores não sejam alterados.

Armazene quando não utilizada suportes que a mantenham na posição vertical, para que o corpo não entorte.

Quando viajar para longas distâncias utilize tubo para transporte, quando transportar as canas em tubos, amarre os diversos elementos, evite que a oscilação do tubo oscile a cana.

Todas as canas em conformidade com a modalidade praticada e/ou a espécie de peixe que se vai capturar têm as suas vantagens e desvantagens, cabe agora a cada pescador escolher a melhor opção para o seu tipo de pesca.

COMO SE FABRICA UMA CANA DE CARBONO

Comentários

Deixe um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.